segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

O Presidente Jimmy Carter - um caso de amor


Eu era bem moça, tinha de oito a onze anos e percebi que estava nua na rua, muito longe da minha casa. Ao constatar, somente eu percebia e tentava andar o mais rápido possível em direção a um endereço onde poderia me resguardar, mas aos poucos os transeuntes também começaram a perceber. Eu me escondia entre as casas e prédios. Para piorar, uma gangue de homens de aparência malvada começou a me perseguir. 
Apesar da vulnerabilidade eu tinha sorte, pois eles eram lentos. Às vezes via um deles a um quarteirão de distância, ele me avistava e vinha em minha direção, então tinha que perder mais do precioso tempo escondendo-me. Ao voltar a correr mais gente despertava e via que eu estava nua.
Entrei em uma rua onde não havia adultos, somente um grupo de crianças brincado, fiz o que pude para me acalmar e não assustá-los, precisava de uma muda de roupa emprestada. Uma menina me emprestou-me uma saia enorme e branca - era o que podia emprestar! A vestimenta pareceu piorar a minha nudez, uma saia grita por blusa. Sentia que aparentar ter sofrido violência, ter sido despojada da blusa era mais vexatório do que ter saído correndo de uma casa que desapareceu, para não desaparecer com ela, nua depois do banho.
A voz de uma pessoa adulta chamou a menina que me emprestava a saia e ela pediu-a de volta e tive que correr novamente, desta vez a rua das crianças terminava em um trilho e eu sabia que o abrigo que eu buscava estava lá, no final daquele trilho, entrei e galinhas com formatos estranhos me observavam sérias. 
Enfrentaria perigo. 
Estava determinada a alcançar o outro lado do terreno escarpado. Quando chegava ao muro que almejava, vi os homens mal encarados de braços cruzados me aguardando. Fiz o caminho de volta e ao entrar na rua movimentada novamente, vi um carro de polícia que passava, ponderei que a situação era horrível, mas era melhor enfrentar os olhares dos policiais e pedir socorro. Certamente me recolheriam ao carro e me dariam agasalho, mas alguém gritou de um prédio: 
- Correr nua na rua é crime, é atentado ao pudor, eles vão te prender!
Agora eu tinha que me esconder da polícia e dos homens maus e não sabia mais para onde voltar.
Foi este meu lindo sonho da noite passada, após confessar pela primeira vez e em público, que o presidente Jimmy Carter foi meu primeiro amor, uma paixão aos seis anos de idade, conforme escrevi antes de ir dormir, em um comentário público no facebook.
E minha mãe não teve qualquer influência, nem sei se alguma vez o viu no Jornal Nacional naquela época, que vivia entre preparar o jantar e organizar tudo para assistir a novela das oito. Minha mãe chamava todos os homens com qualquer posto de autoridade de "velho", tenho certeza de nunca ter dado pela existência do presidente Jimmy Carter e das complicações políticas nas quais estava envolvido no pior emprego do mundo.
Acho que Jimmy Carter era só meu, era admirável e tranquilo - quem poderia dizer que um dia não nos conheceríamos e casaríamos?
Ninguém, uma vez que ninguém soube que para mim ele existia e era meu primeiro e duradouro amor.
O que fazer? 
É a vida. 
Quanto a Dona Rosalynn? Ah, certamente acharia bárbaro, seu esposo, Jimmy, casar-se com alguém tão especial como eu. Era o que eu pensava. Tudo ok.
Não sei, tomei tanto cuidado para que ninguém nunca soubesse que nem mesmo aqui pesquisei o histórico dele, será que um dia teve seis anos, o presidente Jimmy Carter? 
Seja como for, não me interessava o menino Jimmy, mas sim ajudar e conversar com Carter "o velho", como diria minha mãe. Mas provavelmente ele deve ter sido o Brad Pitt dos presidentes. Perceptiva que sou, positiva e sonhadora, via seu melhor ângulo e rezava para que fizesse tudo certo para o Cid Moreira falar boas coisas sobre ele quando o anunciava em seus pronunciamentos. 
Nada de alarde ou escândalo, nem admito sequer que menciones fantasias sexuais infantis! Sei melhor que ninguém o que ia na minha mente: eu pensava que cresceria como sabia que pessoas crescem, nos casaríamos e eu seria uma mui respeitável esposa, não tencionava entrar em seu gabinete aos seis anos enrolada em um tapete - tal como Freud bem gostaria de maliciar - e para apressar minha formação em conhecimentos gerais, passava as tardes a operar pacientes no hospital que eu mantinha nos fundos da minha casa; gestantes abacates que pariam bebês caroços através das cesareanas muito bem feitas por mim. 
Mas este é o assunto de outra crônica, uma que escrevi há alguns anos: 
"A menina que gostava de todas as cores."

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Minha família veio da Alemanha, Áustria, Polônia, China e do Vietnã, declara Mark Zuckerberg

Meus bisavós vieram da Alemanha, Áustria e Polônia. Priscilla e os pais eram refugiados provenientes da China e do Vietnã. Os Estados Unidos são uma nação de imigrantes, e devemos estar orgulhosos disso.
Como muitos de vocês, estou preocupado com o impacto das últimas ordens executivas assinadas pelo presidente Trump.
Precisamos manter o país seguro, mas devíamos fazer isso focando em pessoas que realmente representam uma ameaça. Ampliar o foco da lei para além das pessoas que são verdadeiras ameaças faria com que todos os americanos menos estáveis desviassem recursos, enquanto milhões de pessoas em situação irregular não representam uma ameaça e vivam no medo da deportação.
Devemos também manter as portas abertas para os refugiados e aqueles que precisam de ajuda. 

Isso é o que somos. 
Se tivéssemos desdenhado refugiados algumas décadas atrás, Priscilla e a família não estariam aqui hoje.
Dito isso, eu ficaria feliz ouvindo o presidente Trump dizer que vai "trabalhar em algo" para os sonhadores - os imigrantes que foram trazidos para este país em uma idade jovem por seus pais. 

Agora, 750,000 sonhadores beneficiados pela ação para chegadas de infância (DACA) terão o programa que lhes permite viver e trabalhar legalmente nos EUA, adiado. Espero que o presidente e sua equipe mantenham essas proteções no lugar, e ao longo das próximas semanas eu estarei a trabalhar com a nossa equipe em FWD. - para ver se nós encontramos  maneiras de podermos ajudar.
Eu também estou feliz porque o presidente acredita que nosso país deve continuar a se beneficiar de "pessoas de grande talento chegando ao país."
Estas questões são pessoais para mim, vão além da minha família. Alguns anos atrás, eu dava aulas numa escola local, onde alguns dos meus melhores alunos estavam sem documentos. Eles são o nosso futuro também. 

Somos uma nação de imigrantes, e todos nós temos vantagens quando os melhores e mais inteligentes de todo o mundo podem viver, trabalhar e contribuir aqui. 
Espero encontrar a coragem e compaixão para reunir pessoas e fazer deste mundo um lugar melhor para todos.

Manifesto aberto de Mark Zuckerberg publicado em sua página no facebook.
Foto idem, do almoço de confraternização em sua casa onde ele e Priscilla reuniram estudiosos das áreas de matemática, física de partículas e genômica para discutir novidades em suas áreas.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

"A estátua da Liberdade chora" - por Madeleine K Albright

"A maioria de vocês viram o projeto de decreto sobre imigração e refugiados que o presidente deverá assinar. Se assinou como escreveu, que iria proibir a entrada de refugiados sírios no nosso país, suspender todo o programa de refugiados durante 120 dias, cortar pela metade o número de refugiados que podemos admitir, é o fim de todas as viagens a partir de certos países muçulmanos.
Ao olhar para o projeto, eu senti que não tinha escolha, a não ser falar contra ele com a maior firmeza possível.
Ao fazer isso, eu quero ressaltar três pontos.
Em primeiro lugar, é uma medida cruel que representa um rompimento com os valores fundamentais da América. Temos uma tradição de abrigar aqueles que fogem da violência e da perseguição, e temos sempre sido o líder mundial de reinstalação de refugiados. 

Como uma refugiada que fugiu da tomada do poder pelos comunistas da Checoslováquia, eu pessoalmente me beneficiei da generosidade deste país e da sua tradição de abertura. 
Esta ordem iria acabar com essa tradição, e discriminar aqueles que fogem de uma brutal guerra civil na Síria. 
Ele não representa quem somos como um país.
Segunda, esta medida prejudicaria diretamente os nossos interesses de segurança. Como todos sabem, a crise humanitária no Oriente Médio representa uma ameaça para a estabilidade da região e para os nossos aliados na Europa. Temos de estar a fazer mais, não menos, para minorar o problema - e uma importante forma de fazer isso é aceitar um número modesto de minuciosamente examinados refugiados. A assinatura desta ordem executiva iria enviar um péssimo sinal para nossos aliados na Europa e no oriente médio, que agora terá uma desculpa para fazer menos. 

Ela também será um presente para a Isis, que tem andado a dizer aos muçulmanos em todo o mundo que o oeste é seu inimigo. Não tenho dúvidas de que eles vão usar esta ordem como propaganda para apoiar esse pedido.
Em terceiro lugar, não há dados para apoiar a ideia de que os refugiados representam uma ameaça. Essa política é baseada no medo, não de fatos. O processo de análise de refugiados é robusto e minucioso. Já constituída por mais de 20 passos, garantindo que os refugiados são vetados mais intensamente do que qualquer outra categoria de viajante.
O processo normalmente leva de 18-24 meses, e é realizado enquanto eles ainda estão no exterior. Preocupa-me que esta ordem é uma tentativa de "EXTREMO RIGOR" e que vá travar eficazmente a nossa capacidade de aceitar qualquer um.  

Quando a administração faz alegações selvagens sobre refugiados sírios se derramando sobre nossas fronteiras, eles estão se baseando em fatos alternativos - ou como gosto de chamar, ficção.
A verdade é que a América pode simultaneamente proteger a segurança das nossas fronteiras e os nossos cidadãos e manter o nosso país e sua longa tradição de acolher aqueles que não têm mais para onde recorrer. Estes objetivos não são mutuamente exclusivos. Na verdade, eles são a obrigação de um país construído por imigrantes.
Os refugiados não deve ser encarado como um fardo ou como potencial terrorista. Eles já fizeram grandes contribuições para a nossa vida nacional. Refugiados sírios estão aprendendo inglês, obtendo bons empregos, comprar casas e empresas para recomeçar. Em outras palavras, eles estão fazendo o que outras gerações de refugiados - incluindo a minha - fez.  E não tenho dúvidas de que, se tiverem a oportunidade, eles vão se tornar uma parte essencial do nosso tecido americano.
Ontem, eu twittei sobre o meu passado. Eu fui criada como católica, casada da Igreja Episcopal e depois descobri que eu era judia. Eu disse no meu tweet que um registo de muçulmanos deve ser instituído por esta administração, gostaria de acrescentar o meu nome para essa lista.
Tal registo não está incluído no texto desta ordem, que é direcionada a países de maioria muçulmana para a proibição de emigração, por expressar uma clara preferência por refugiados que são minorias religiosas, não há dúvida; esta ordem é tendenciosa contra os muçulmanos. E quando a fé é um alvo, coloca-nos todos em risco.
Quando eu vim cá, como criança, eu nunca vou esquecer da primeira vez que naveguei no Porto De Nova Iorque e vi a Estátua da Liberdade. Que proclama: " Dá-me o seu cansaço, seus pobres, suas massas para fazê-las respirar livremente." não há letras miúdas na estátua da liberdade, e hoje ela está chorando por causa das ações do presidente Trump."


Carta aberta de Madeleine Albright, publicada em sua página no facebook.
Madeleine é ex Secretária de Estado da América e foi a primeira mulher a ocupar o cargo.
Foto da Web

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Presidente Obama em sua última conferência de imprensa na Casa Branca

"Eu acredito neste país, eu acredito no povo americano, acredito que as pessoas são mais boas do que ruins, eu acredito que coisas trágicas acontecem. O mal está no mundo, mas eu acho que no final do dia, se trabalharmos duro e se somos fiéis a essas coisas em nós que se sentem verdadeiras, nos sentimos bem, o mundo fica um pouco melhor a cada vez ... Eu acho que nós vamos ficar bem. Nós só temos que lutar por isso, temos que trabalhar para isso, e não dar por garantido. "