domingo, 4 de setembro de 2016

O Impeachment de Dilma

"O fato concreto é que o processo de impeachment de Collor não ameaçou a instabilidade institucional e política. O presidente foi destituído, o país não parou, não se quebrou uma vidraça. Naquele tempo ainda se podia temer que a convulsão pudesse resultar em intervenção militar.
Estávamos mais próximos dos 20 anos de governo militar.
...
...Acho razoável falar em impeachment. Diante da imoralidade que grassa em setores da administração pública, como na Petrobras, alguém há de ser responsável. A condução das finanças públicas também é questionada. (Há) Ainda a questão do destino dado aos recursos imoralmente tirados da Petrobras e de outros órgãos para sustentar campanhas políticas, então existe a possibilidade forte de que sejam convertidos em crimes de responsabilidade da Presidência da República. há fortes motivos para acusações.

Fragmentos da entrevista do jurísta Célio Borja para a Revista Época de de 26/10/2015, eu li hoje e achei que precisava compartilhar contigo.
Analisando o governo de Dilma, ele ainda diz: 
"A própria base governista negocia, se não for satisfeita não dá apoio ao governo." 
Perguntado se já tinha visto situação semelhante em outros momentos históricos, declara:
" No impeachment do presidente Collor; mas ele tinha ministério. O ministério era muito coeso, constituido por pessoas absolutamente idôneas, probas e capazes. Quando o presidente começou a responder pelas acusações -falsas ou verdadeiras -, a confiança no governo manteve-se porque havia um ministério capaz de manter o país funcionando. Tomei a iniciativa de me encontrar semanalmente com os generais de serviço em Brasília, para sentir seu pulso e informá-los do que fazíamos, e assim dar continuidade à ação administrativa e impedri algo que ainda era possível: a intervenção militar em assuntos civís."
Borja foi ministro da Justiça de Fernando colloor de Mello, ministro do Supremo Tribunal Federal e ex-líder do governo militar na Câmara.

Foto: fiz em uma casa que ficou abandonada por anos e de recém foi desmontada. 
Florescer na primavera que se instala é um caminho natural para a delicada flor. Retomar o caminho do crescimento e progresso para o país, também. Todos lutamos por isso e mesmo que partamos, o jardim florescerá enquanto os homens souberem valorizar, além da colheira do arros, a beleza das flores